segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Bonhoeffer, Dietrich


Nasceu em 04 de fevereiro de 1906 e morreu novo, em 1945 num campo de concentração, isso porque se opunha a Hitler ativamente - até o chamou de anticristo. Era filho do Dr. Karl Ludwig Bonhoeffer, que no total tinha oito filhos. Dietrich tinha uma irmã gêmea, Sabine. Era de uma família de tradições, tendo em seus antepassados historiadores, teólogos, juristas e pintores.

Primeiramente, de 1919-1923 estudou no ginásio de Grunewalde. Estudou na Universidade de Tübingen, também em Berlim, onde foi aluno de Harnack. Foi professor em Berlim, mas teve uma passagem pelo Union Theological Seminary, em Nova York, para estágio. Em 1929 teve seu primeiro exame teológico, aceitando o vicariato de Barcelona por um ano.

Enquanto vivia era desconhecido, mas após sua morte ficou conhecido por suas idéias sobre discipulado, no qual escreveu um livro chamado ”O Custo do Discipulado” em que expõe princípios morais para os cristãos, defendendo que o discipulado está ligado a libertação do que oprime a consciência. Entendemos que esse livro está ligado a questão nazista, visto que as idéias nazistas alienavam as mentes dos cristãos. Levava uma vida dedicada e piedosa, e claro com disciplina, combatendo a vivência sobre o âmbito do sagrado e do profano ao mesmo tempo, ou seja, ele combateu o cristianismo ligado ao nazismo, pois para ele esse sistema não era apenas profano, mas o próprio anticristo.

A vida cristã de Bonhoeffer era vivida com piedade e práxis, por isso se opôs a Hitler. Quando Adolf Hitler ascende na Alemanha, a igreja evangélica oficial aderiu ao projeto do nacional-socialismo, chegando ao absurdo de aceitar somente ordenação de pastores arianos. Nesse momento da história, esse grande teólogo começa a se opor ao nazismo como sendo uma missão. Passou então a ser um líder da Igreja Confessante, e por perseguição começa a exercer um ministério clandestino, inclusive como diretor de um seminário clandestino em Finkenvalde. É incrível como a religião se deixa cegar com tanta facilidade em nome do poder. Em toda história vemos a religião cristã se vendendo por tão pouco, isso em nível de existência.

Bonhoeffer foi um líder da resistência contra Hitler, viajando para muitos países divulgando a resistência. Estava envolvido num plano para assassinar Hitler. Mas o teólogo foi preso em Berlim no dia 5 de abril de 1943. Em 9 de abril de 1945, com apenas 39 anos, foi enforcado. Ele tinha muitos planos, como visitar Gandhi, na Índia. Apesar de não ter realizado muitos de seus planos, foi um grande líder do movimento ecumênico, viajando para países como Dinamarca e Suécia.

Esse teólogo via Deus como uma realidade única e que opera em nós através de nossas próprias ações em prol do mundo, da sociedade . Enfatizava o evento histórico de Jesus Cristo, ou seja, ele via Deus atuando na história, indo contra idéias filosóficas e ateístas da época. Praticar o cristianismo é ser humano num mundo justo e livre. Devido essa idéia, Bonhoeffer pregava um cristianismo sem religião institucional.

No campo de concentração começou a escrever uma obra intitulada Ética, mas parece não ter terminado. Nessa obra o pastor teólogo mostra que para ser um cidadão ético basta seguirmos as palavras do homem Jesus, que diretamente é a paradoxal as ações nazistas. Apesar de ter vivido pouquíssimo tempo, Bonhoeffer escreveu algumas obras, que foram: The Communion of Saints; Act and Being; The Cost of Discipleship; Ethics; Resistance and Submission.

Mesmo que muitos não concordem com algumas de suas idéias, não podemos tirar o louvor que lhe pertence, pois renunciou sua vida em prol da causa humana. A libertação do homem era seu alvo. Para isso não ficou apenas pensando em suas idéias, mas procurou agir rápido contra aquele que era uma ameaça a existência, a saber: Adolf Hitler. Outros nomes também se voltaram contra o nazismo como: Karl Barth (expulso da Alemanha), Paul Tillich (exilado da Alemanha), o marechal de campo Rommel (que foi ordenado por Hitler a se suicidar), Stauffenberg (martirizado em 1944). Bonhoeffer tentou assassinar Hitler, por isso até hoje seu nome é lembrado na Alemanha, pois ele erxergou o que muitos da nação enxergavam. Pena que o teólogo não pôde ver o nazismo ruir como um muro podre.

Ser militante não é apenas vestir uma camiseta vermelha, mas é ter coragem de homens como Bonhoeffer, Stauffenberg, Rommel...

Prof. Yuri Almeida

3 comentários:

  1. Sergio da Silava Sena22 de junho de 2011 10:24

    Prof. Yuri,
    Bom dia!
    Muito boa esta síntese sobre a curta trajetória de Bonhoeffer, mas diga-me por favor, em qual ( ou quais) áreas o pessoal de cima discorda das idéias de Bonhoeffer?
    Seria às questões como: rompimeto com a eclesiologia; a negação do sobrenatural (metafísica) ou a participação no atentado?
    Eu admiro Bonhoeffer e procuro entendê-lo.

    Grato.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Sérgio da Silava,

    O que muitos podem discordar de Bonhoeffer é em relação a sua teologia, que se encaixa talvez na neo-ortodoxia ou existencialismo teológico. Não podemos afirmar que era um liberal.

    ResponderExcluir
  3. O francês Georges Bernanos foi um dos autores favoritos de Dietrich Bonhoeffer. Ele figura entre os grandes escritores cristãos do século XX, ao ponto de o grande teólogo alemão Hans Urs von Balthasar ter-lhe dedicado um livro inteiro. Sua obra tem sido publicada no Brasil pela É Realizações Editora, e agora sua passagem pelo país é narrada ao público local. O estudo de Sébastien Lapaque “Sob o Sol do Exílio: Georges Bernanos no Brasil (1938-1945)” acaba de ser publicado, trazendo à luz a visita de Bernanos a várias cidade do Rio de Janeiro e Minas Gerais, sua estadia no sítio Cruz das Almas, sua revolta contra a mediocridade dos intelectuais e a ascensão do totalitarismo, sua amizade com pensadores brasileiros e a visita que Stefan Zweig lhe fez à véspera de se suicidar.

    Matérias na Folha de S. Paulo a propósito do lançamento do livro: http://goo.gl/O8iFve e http://goo.gl/ymS4lL
    Para ler algumas páginas de “Sob o Sol do Exílio”: http://goo.gl/6hAEOM

    Confira também:
    Diálogos das Carmelitas: http://goo.gl/Yy3ir3
    Joana, Relapsa e Santa: http://goo.gl/CAzTTk
    Um Sonho Ruim: http://goo.gl/Kd091z
    Diário de um Pároco de Aldeia: http://goo.gl/ISErLc
    Sob o Sol de Satã: http://goo.gl/qo18Uu
    Nova História de Mouchette: http://goo.gl/BjXsgm

    ANDRÉ GOMES QUIRINO
    mkt1@erealizacoes.com.br
    (11) 5572-5363 (r. 230)

    ResponderExcluir