segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Calvino, João

João Calvino foi um dos principais reformadores protestantes. Nasceu em Noyon, na França, em 1509. O pai de João Calvino era uma figura de destaque em Noyon, na área de administração.

Calvino teve sua formação educacional em Paris e Orléans. Seu ingresso no protestantismo acontecera quando estudava em Paris, onde começou a duvidar do catolicismo. Em 1533 teve que fugir de Paris, refugiando-se em Basiléia, na Suíça. Ali publica sua obra intitulada Institution Chrétienne (Instituição Cristãs), primeiro em latim, depois em francês. Conhecia o grego e era familiarizado com os autores renascentistas franceses.

Em 1528 recebeu o grau de mestre em Teologia e deu início aos estudos de Advocacia, em Orléans, por influência de seu pai. Em 1536 foi persuadido por Farel para ajudar na reforma em Genebra. Forçado a sair de Genebra, casou-se em Estrasburgo. Em 1541 retornou a Genebra, onde comandou uma reforma.

Na escola de Calvino, em Genebra, recebem instruções os fundadores da Igreja Presbiteriana. Tentou transformar Genebra num Estado de fé calvinista. Queria criar uma teocracia. Assim, estabeleceu leis que são dirigidas por suas doutrinas religiosas, abre escolas, estimula o comércio exterior, proíbe jogos de azar, alcoolismo, danças e outros.

Perseguia seus opositores e defendia a pena de morte à hereges. Mandou queimar Miguel Serveto, que era um médico contrário as suas doutrinas. Jacques Gruet foi decapitado, acusado de blasfêmia. Kurtz afirmou que Calvino fez muitas vítimas. Entre os anos de 1542 e 1546 havia em Genebra vinte mil pessoas apenas. Dessas, cinqüenta e sete foram executadas, sessenta e seis banidas e um número incalculável de encarceramentos. Todos esses casos forma por motivos religiosos.

Suas doutrinas são, entre muitas: a predestinação divina, no qual deus escolhe quem será salvo eternamente, salvação mediante a fé, subordinação do Estado à Igreja e outras.

As idéias de Calvino ajudaram em medida o desenvolvimento do capitalismo, pois dizia que o predestinado deveria poupar, ao contrário do catolicismo que condenava até a usura. Max Weber em A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo explana bem essa aliança entre calvinismo e capitalismo.

No dia 27 de maio de 1564 faleceu João Calvino.

Prof. Yuri Almeida

16 comentários:

  1. legal interesante to estudando isso em historia.

    ResponderExcluir
  2. esse e o cara a quem tanto dão credito da reforma fala sério ta de brincadeira tem muitos que se gaba de calvino ai ai esse cara foi uma piado de mão gosto

    ResponderExcluir
  3. a igreja tem que acordar desse sono de morte que escravidão era nessa época na verdade continua essa escravidão que sistema mal

    ResponderExcluir
  4. Como é tão bom estudando história do passado é uma pena que ainda muitos dormem.

    ResponderExcluir
  5. Superficial ao extremo.
    Calvino nem de longe foi a mais alta autoridade em Genebra.
    Esse texto tem apenas o objetivo de denegrir a imagem de Calvino. Me pergunto se dos 4 livros de Calvino, quais este o autor do blog leu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O autor desse texto é bacharel em teologia e historiador. Nada do que ofi escrito é para denegrir a imagem de Calvino, são fatos registrados pela História.

      Excluir
    2. Nina, vá estudar. Até parece aluna adolescente, que ouve falar as coisas, toma partido e não sabe o por que!

      Excluir
    3. Concordo com teu comentário. Qual a fonte que esse cidadão tirou essas parciais estórias? Dizer que ele foi precusor do capitalismo é uma piada e se for citar Max Weber - como autor dessa furada, é só ler a pagina 81 do Livro "Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo". O autor, ele mesmo demistifica a mais uma de várias tentativas de distorcer a obra e o caráter desse importante pensador e reformador cristão. Acusá-lo de ser o mandante da execução de Miguel Seveto, é desconhecer como funcionava o sistema político - administrativo de Genebra, naquela época. Todo mundo erra, sóquem não errou foi o SENHOR JESUS CRISTO, mas acusação falsa é no mínimo leviandade.

      Excluir
  6. Calvino também foi um cristão ditador e assassino, mas os protestantes só acreditam na história da inquisição católica.
    Se estudarem de verdade vão sair da ignorância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Zinho de Moraes, sua informação está correta. A inquisição calvinista era cruel.

      Excluir
    2. Acho decepcionante, como as pessoas tomam como verdade absoluta, aquilo que desconhecem. É preciso ter critério bem definido para se acreditar de cara num artigo como esse. Qual a linha do escritor, a que grupo religioso ou filosófico defende, etc. Vamos lá: ditador de qual Estado ou cidade, ele foi político, tinha poder político - econômico para fazer isso? Sabe que mandava em Genebra naquela época? Como eram organizados os poderes políticos e de justiça da época?

      Excluir
    3. Já comentei anteriormente, mas posso repetir de outra forma. Supondo que Calvino tenha autorizado executar Miguel Seveto (única pessoa que se tem registro em Genebra, sobre este episódio), seria uma morte, não é? Sem considerar os números aproximados e exorbitantes de assassinatos efetuados pelos católiscistas romanos em toda a inquisição, mas apenas no "Massacre da Noite de São bartolomeu". Segundo um comentário parcial de um apologista católico, foram 2.000 pessoas, mas pode quintuplicar isso aí. Já seria desproporcional querer desqualificar João Calvino, uma vez que os próprios católicos queriam matar Miguel Seveto. Este, fugiu para Genebra e lá ele também não conseguiu apoio para suas heresias. Mas a realidade é que os autores da execução desse herege(pois foi essa a acusação da época), foi decidida pelo Conselho Municipal, onde João Calvino não tinha peso nas decisões, por ser estrangeiro(Não era CITOYENS - pessoas nascidas de pais genebrinos, João Calvino fazia parte dos habitants - estrangeiros legais, mas sem poder de voto.) Verdade é que como todo o humano, ele e Miguel Seveto se odiavam, mas acusá-lo de mandar executar, queimar o condenado em praça pública, é muita tendendiosidade e falsa acusação.

      Excluir
  7. As afirmações desse Professore não tem base histórica. Apenas o caso de Seveto, na fala desse professor mal informado,leva á mentiras sentimentalmente religiosas romanas, para incriminar Calvino dessa quantidade esdruxula e perniciosa de condenados que nunca houve na história do Reformador Calvino. O Romanismo com a chamada Santa Inquisição, por muitos séculos,foi muito pior que os islâmicos estão fazendo hoje.

    Sr Professor, leia os Artigos abaixo:
    http://www.monergismo.com/textos/jcalvino/calvino_serveto_augustus.htm; http://www.monergismo.com/textos/jcalvino/calvino_serveto_mcgrath.pdf; http://www.monergismo.com/textos/jcalvino/Calvino-Serveto-teonomia_Strevel.pdf; entre outros em Monergismo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correções: O Romanismo sim, com a chamada Santa Inquisição, por muitos séculos,teve essa prática de assassinar os supostamente hereges, como os cristãos antes e depois da Reforma Protestante. A Noite de São Bartolomeu que o diga!!! O Romanismo sim, foi muito pior que os islâmicos estão fazendo hoje. Daí incriminar Calvino e muitos protestantes de terem ordenados assassinatos, é no mínino uma afirmação sem qualquer fundamento.

      Excluir