quarta-feira, 4 de novembro de 2009

zuinglio

Ulrich (ou Huldreich) Zuínglio foi um dos principais reformadores protestantes, sendo líder da reforma na Suíça. Nasceu em 1484 na vila de Toggenburg, em Wildhaus, São Gal, na Suíça. Foi o terceiro de oito filhos de um rico meirinho. Foi educado em Viena e Basiléia, onde também ensinou. Conhecia os clássicos e chegou a ser mestre em Artes. Aprendeu música e a tocar alguns instrumentos musicais. Escreveu várias obras, em latim e alemão. Heinrich Bullinger (discípulo de Zuínglio) relatou que Zuínglio tinha memorizado em grego todas as epístolas paulinas, ou seja, ele conhecia bem o grego. Diferente de Lutero, não obteve doutorado em Teologia.

Foi extremamente influenciado pelo humanismo de Erasmo de Rotterdam, quem manteve correspondência mesmo depois de ordenado padre, em 1506. Dedicou-se aos estudos do Novo Testamento, o que lhe deu base para propor uma reforma, visto que todos os reformadores protestantes davam muito valor a bíblia. A doutrina da autoridade da bíblia foi defendida pelo reformador em sua obra Sobre a Clareza e Certeza da Palavra de Deus. Seu biblicismo o levou a crer que a bíblia é autoridade suficiente nas questões de fé e prática, e não a tradição da Igreja. Não apoiava as práticas abusivas de algumas doutrinas da Igreja Romana da época. Condenou ardentemente as indulgências, o jejum, a veneração dos santos católicos e o celibato dos padres. Em 1524 casou-se com Anna Reinhard. Opôs-se à venda de mercenários feita pela Suíça.

Em 1518 foi chamado para Zurique, comandando uma reforma. Em 1523 publicou as Sessenta e Sete Conclusões, uma de suas primeiras formulações doutrinárias. Pregava que o evangelho não está sujeito as aprovações da Igreja, sendo que a igreja se afastou desse evangelho e que este não está ligado as restrições eclesiásticas do catolicismo. Ensinava a comunhão dos santos e o sacerdócio de todos os crentes. Em sua obra Comentário Sobre a Verdadeira e Falsa Religião, estabeleceu a distinção entre Igreja visível e Igreja católica mística (Igreja invisível), composta por todos os santos (salvos, segundo o protestantismo).

Não ensinou a separação Igreja e Estado, mas parece que cria em um governo democrático. Sobre o batismo, pregava que esse deveria ser feito na infância, como paralelo a circuncisão judaica. Discordou de Lutero na questão da ceia, sendo que Lutero defendia a consubstanciação e Zuínglio defendia o Memorial.

Um dos seguidores de Zuínglio, a saber: Conrado Grebel, foi o fundador dos menonitas. Não podemos esquecer que o reformador suíço opôs-se aos anabatistas, apesar de um grupo anabatista ter originado dele, mesmo que ilegitimamente.

A reforma de Zuínglio não obteve sucesso em todos cantões suíços, sendo que, os cinco mais antigos cantões da federação helvética não apoiaram a crescente reforma. Devido a isso, Zurique impôs sanções políticas e econômicas a esses cantões. O resultado dessas imposições foi uma revolta que culminou em ataque por parte desses cantões a Zurique. Zuínglio participou das lutas como capelão e foi morto em 1531 durante a luta, em Kappel. Heinrich Bullinger foi um dos reformadores que deram continuidade a causa protestante na Suíça.
Prof. Yuri Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário