sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Revolução Constitucionalista de 1932

Em 1932, estourou na região de São Paulo a Revolução Constitucionalista. Getúlio Vargas estava no governo provisório desde 1930. O movimento reivindicava eleições e uma constituição, visto que a Constituição de 1891 estava em desuso.

De fevereiro a julho de 1932 ocorreram diversos ats públicos na cidade de São paulo contra o governo provisório de Getúlio Vargas. Acima manifestação popular de apoio a Revolução Constitucionalsita.

Governador Pedro de Toledo, seus secretários e apoiadores da Revolução.

Passeata no centro de São Paulo.

Voluntários prorevolução.

Carro blindado de fabricação brasileira.

Batalhões de voluntários e soldados da Força Pública Paulista.

Batalhões de voluntários e soldados da Força Pública Paulista.

Manifestação prorevolução.

Logo que eclodiu o movimento militar contra Getúlio em São Paulo, organizou-se um corpo combatente de voluntários de cor (na época isso queria dizer pretos e pardos). Esse batalhão tomou o nome de Legião Negra.

Soldados e oficiais da Legião Negra.

Participação das mulheres na Revolução como enfermeiras, costureiras e cozinheiras.

Participação das mulheres na Revolução como enfermeiras, costureiras e cozinheiras.

Participação das mulheres na Revolução.

Mártires da Revolução.

Missa campal na praça da Sé por intenção dos soldados constitucionalistas, em 22 de julho de 1932.

Soldado com salame doado pela ARMOUR.

Oficiais da Legião negra. Na foto de cima, 13 índios acantonados na Legiçao Negra.

Legião Negra.

Trincheiras da guerra.

Sargento João Bougouldt e o piloto civil Mourão de Oliveira. Participaram de missões aérea jogando folhetos sobre o Rio de Janeiro.

Trem blindado utilizado na Revolução.

A matraca acabou sendo transformado em uma arma, demosntrando a dificuldade de obtenção de armamentos.
Morteiro e bomba utilizada pela aviação constitucionalista.

Granadas, obuses, bombas e morteiros utilizados pelos constitucionalistas.
Capacetes utilizados na Revolução.

Tanque Lança-Chamas, construído em São Paulo.

Durante o conflito, o Tesouro Estadual emitiu papel-moeda com símbolos da política paulista.



Referência Bibliográfica

VILLA, Marco Antonio. 1932: imagens de uma revolução. São paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008
.

7 comentários:

  1. Professora Yuri parabéns por esta postagem, as fotos são excelentes.
    A mais famosa guerra civil do século XX retratada neste blog traz novas considerações a respeito dos verdadeiros motivos da Revolução Constitucionalista.
    Historiadores apontam fatores econômicos e políticos para o desencadeamento da guerra civil. O Estado de SP estava fora do jogo político desde a tomada do poder pelos oficiais das forças brasileiras os quais entregaram o poder à Getulio Vargas na Rev. de 1930. Getúlio não deixaria por menos e tão breve já tratou de cortar as asas das oligarquias cafeeiras em especial as do Estado de São Paulo. Do ponto de vista econômico o Estado de SP concentrava em si a potência nacional da economia, a verdadeira "locomotiva econômica" do país. A desculpa que arrumaram foi a falta de um instrumento jurídico para governar o país, pois desde a entrada de Vargas como chefe do Governo Provisório os únicos intrumentos jurídicos eram os decretos-leis baixados pelo chefe do executivo. São Paulo perdeu a guerra civil, pis não dispunha de um grande número de oficiais treinados para guerra, contando com grande número de soldados civis que se apresentaram como voluntários. Militarmente o Estado de SP perde a guerra mas moralmente ganharam. Em 1933 foi convocada a Assembleia Constituinte para elaborarem a nova Carta Magna, a de 1934, que na verdade não passou de uma mera ilusão, pois suas prerrogativas ficaram apenas no papel. O que na verdade o Estado de SP queria era apenas voltar no poder político do país.
    Prof. Hugo F C Faco

    ResponderExcluir
  2. Em tempo ainda gostaria de uma correção do comentário acima.. onde se lê "A mais famosa guerra civil"... leia-se "A mais famosa guerra civil do Brasil no século XX"

    Prof. Hugo F C Faco

    ResponderExcluir
  3. Observando a história do Brasil chego a conclusão de que a sociedade atual foi moldada ao bom gosto do estado. Podemos observar que com os meios de comunicação em massa cada vez mais próximos do cidadão não é capaz de motiva-los a qualquer ato contra o estado. Toda a corrupção está escancarada nos jornais, na internet e todos tem acesso as informações.... e tudo isso parece ainda por contribuir para a pacata sociedade se manter como manda o Hino Nacional "Deitado eternamente em berço esplêndido...".

    Prof. Hugo F C Faco

    ResponderExcluir
  4. maycon da silva 8 a20 de setembro de 2011 20:05

    ai,professor yuri eu te acho o maximo,so estou aqui pra dizer algumas verdades,esse blog seu e muito interessante fala sobre os acontecimentos no passado,e tambem nos ensina a saber como era as vidas das pessoas naquele tempo.realmente os escravos sofriam muito naquela epoca.eu te admiro por o senhor ser um professor tao interessado nessas coisas,e ser inteligente, valeu.

    ResponderExcluir
  5. Maycon, não sou bom professor, você que é um aluno que se destaca, inteligentíssimo e interessado em história. Obrigado por tudo, por me animar a ser professor. Na verdade, todos somos um, para mudar esse país. Caminhemos juntos, meu caro.. Valeu mesmo...

    ResponderExcluir
  6. Thаnkѕ foг the marvelouѕ posting!
    I ԁеfinitely enјoyеd rеaԁing it, you could bе a greаt authοr.
    I will be surе tο bοokmaгk your
    blog аnd maу сomе baсk іn the foгesеeable futuгe.
    I wаnt to encоurage that уou
    cοntinue your gгeаt jοb, havе a
    nicе mοrning!

    Feel fгee to ѕurf to my blog 360bookmarks.com
    my web site: v2 Cigs Review

    ResponderExcluir
  7. Na verdade o Povo Paulista queria uma República independente do Brasil, tanto é verdade que se fosse por uma Constituição não seria quase todos os Estados contra São Paulo. A negociação para rendição de São Paulo envolveu a Anistia para Oficiais das Forças Armadas Paulista, não adianta inventar história a História tem que ser contada.

    ResponderExcluir