sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Guerra dos Emboabas (1708-10)

No início do sec. XVIII, as terras brasileiras ainda não tinham donos legais, com registro em cartório. O dono de um pedaço de terra era quem chegasse primeiro.

Os bandeirantes paulistas entraram sertão adentro em busca de índios, para serem vendidos como escravos, e de riquezas, principalmente o ouro, que poderia mudar a sorte de homens sem muita perspectiva em São Vicente.

No final do sec. XVII os paulistas haviam descoberto ouro na região das minas, Vila Rica. Devido a isso, achavam que por direito eram donos da terra e da exploração, mesmo faltando comprovação jurídica sobre a posse de tal.

Quando a região das minas é descoberta, migra gente de todos os lados para tentar se enriquecer com a mineração aurífera. Portugueses, baianos e pernambucanos, conhecidos como emboabas (emboaba significa estrangeiro), reivindicavam o direito a exploração do ouro, afinal, a terra não tem dono. Inicia a Guerra dos Emboabas.

De um lado os paulistas, que tinham esse nome porque partiram de São Paulo (mas havia entre estes: lusitanos, homens brancos nascidos no Brasil e até filhos de portugueses com índias, os mamelucos) e de outro os emboabas.

A corrida pelo ouro não havia regras ou leis bem estabelecidas, somente a sede pela fortuna. Havia risco, inclusive de Portugal despovoar-se em decorrência da emigração. Por isso o governo aumenta impostos, dificulta a mineração e chega a suspender a exploração. Em 1702 o governador Silveira e Albuquerque tenta “trancar os caminhos” das minas, na linguagem da época”, cita Júlio José Chiavenato.

Mas na realidade, os emboabas não chegaram do nada reivindicando direito de exploração. Em 1664 foi estabelecido o quinto e dado o direito aos paulistas sobre a descoberta. Mas para impedir a mineração desenfreada e a sonegação, o governo mais que dobra os impostos. Assim, os paulistas abandonaram as minas. Nesse período apareceram os emboabas, que chegaram num momento de fome e desordem no sertão brasileiro.

O conflito iniciou quando um paulista em Pindamonhangaba matou um português porque ele se recusou a vender sua escrava. A guerra começa quando os emboabas cercam Sabará e incendeiam a aldeia, matando muitos. Havia mortes para todo o lado. Até a Igreja entrou no conflito, afinal, o que estava em jogo era ouro.

O governador dá razão aos paulistas, que tinham o apoio até mesmo de grupos indígenas. Chiavenato afirma que o governador apoiou os paulistas alegando que eles além de descobrirem as minas, são mestres em matar índios e são bons garimpeiros.

Houve religiosos que apoiavam lados opostos. Os freis Francisco de Meneses e Amaral Gurgel e Firmo apoiaram os emboabas e cometeram atos de extrema violência. Isso pode ter sido um dos motivos que fez o rei tentar expulsar os religiosos da região das minas.

A guerra se intensificou. Os emboabas eram maioria e venceram a guerra, com milhares de mortos na contabilidade. A historiografia oficial classifica a guerra de luta nativista.

A realidade da Guerra dos Emboabas era uma só, a luta por ouro numa terra sem leis. Não obstante, o governo português se conscientiza que precisa melhorar a administração na colônia, principalmente na região das minas. Assim, cria a Capitania das Minas do Ouro e passa a controlar a mineração mais de perto.

O motivo porque índios lutaram do lado de brancos, principalmente dos paulistas é desconhecido, por falta de documentos históricos.

Professor Yuri Almeida




Leia "As lutas do povo brasileiro:
do descobrimento a Canudos"
de Júlio José Chiavenato, da Editora Polêmica.

2 comentários:

  1. Breno Henrique Garcia de Oliveira. 7anoD28 de fevereiro de 2011 20:43

    No início do sec. XVIII, as terras brasileiras ainda não tinham donos legais, com registro em cartório. O dono de um pedaço de terra era quem chegasse primeiro.

    Os bandeirantes paulistas entraram sertão adentro em busca de índios, para serem vendidos como escravos, e de riquezas, principalmente o ouro, que poderia mudar a sorte de homens sem muita perspectiva em São Vicente.

    No final do sec. XVII os paulistas haviam descoberto ouro na região das minas, Vila Rica. Devido a isso, achavam que por direito eram donos da terra e da exploração, mesmo faltando comprovação jurídica sobre a posse de tal.

    Quando a região das minas é descoberta, migra gente de todos os lados para tentar se enriquecer com a mineração aurífera. Portugueses, baianos e pernambucanos, conhecidos como emboabas (emboaba significa estrangeiro), reivindicavam o direito a exploração do ouro, afinal, a terra não tem dono. Inicia a Guerra dos Emboabas.

    ResponderExcluir
  2. num achei nada interessante nesssa pesQuisa precisam melhorar mais as descriçoês okk

    ResponderExcluir